COMPARTILHAR

166040_862052470570329_9044295470375551456_nSomos mestres em querer que tudo seja perfeito, que nos agrade e nos surpreenda. Na verdade somos uns eternos iludidos e “achamos que somos úteis e muitas vezes, para nada servimos” (Rubem Alves, psicanalista, educador, teólogo e escritor brasileiro). Outro dia, acompanhei um caso de uma moça (sic) que insistia em falar ao vivo no meu programa de rádio, querendo difamar um salão de beleza do bairro dela. Eu me interessei tanto, que procurei a proprietária do estabelecimento e passei a ficha da ouvinte. Desafeto: as duas, ex cliente e dona do salão, eram inimigas ferrenhas, e é claro, surgiu uma pontinha de inveja. Somos assim, queremos que o nosso bairro tenha tudo, e nós, não prestigiamos nada. Não compramos no açougue da esquina, não prestigiamos o salão da pequena empresária na rua ao lado, não valorizamos a lojinha da vizinha, não entramos na farmácia do bairro. Imagina, comprar no meu bairro? Quero ir ao centro, vou comprar no comércio central, quero entrar no supermercado da moda, vou no salão que está na mídia, só compro na área comercial. Quanta bobagem, a descentralização está sinalizando para o crescimento. Prestigie o comércio do seu bairro, faça com que sua região seja incrementada, divulgue boca a boca que seu bairro é bom de se viver. No livro ‘Variações sobre o prazer’ de Rubem Alves, ele diz claramente que vamos chegar ao ápice da inutilidade enquanto ficarmos fingindo que somos importantes. Desde quando ir no salão da vizinha “ajeitar” o cabelo diminui você? A carne do açougue da esquina pode ser melhor do que do outro que está na propaganda. A lojinha da esquina tem o mesmo presente e a mesma utilidade que a loja na rua famosa do centro. Mais não, queremos ser inúteis, queremos aparentar ser chique, quando não sabemos o que é “Rechaud”. Daí, compramos a porcaria da peça para fazer lasanha de domingo. Me poupe. “A gente somos inútil”, já cantava a Banda Ultraje. Uma vez uma ‘despeitada’ teve a petulância de dizer que Itaúna não tem nada. Que mentira, Itaúna é privilegiada, cheia de gente que quer prosperar, que investe, que arrisca e se joga de corpo e alma em projetos, ações e iniciativas. Daí, vem uma “pé no saco” e tenta desestimular e coloca mil e um defeitos. Tenho pena de gente que prefere pagar aluguel no centro, mais não arrisca construir sua casa própria em bairro. Lamento por você que aluga sala comercial caríssima no centro para abrir uma loja, enquanto tem um cômodo, uma garagem e um espaço super bacana no bairro e você ignora. O que você tem contra o bairro? Você não deve ter nada contra e também nada a favor nê? Provavelmente você deve ser um mal amado, um zé coitado, uma dona maria desiludida, ou um sonhador que não vai passar disso nunca. Coloque o pé no seu chão e acredite mais, confie mais, dê uma chance para as pessoas, desfrute daquilo que você acredita. Ou vai me dizer que você já está pensando no comentário que vai postar para atacar a bicha? Pelo visto, continuamos rezando pouco nê?

COMPARTILHAR
MÁRIO DEBIQUE é graduado em Comunicação Social pelo Instituto J Andrade, atua na área da comunicação há 17 anos. Na Rádio Alternativa FM, tem programa de apelo popular que é líder de audiência no horário. É Liderança Comunitária há mais de 10 anos, Promotor de Eventos e Professor de Língua Portuguesa na rede estadual de ensino. Mário Debique é atualmente Assessor de Comunicação do SAAE e já trabalhou no Gabinete do Prefeito Eugênio Pinto e em outras gestões com o Ex Prefeito Hidelbrando Canabrava (04 anos) e o Ex Prefeito Osmando Pereira da Silva (por 08 anos). Na Câmara Municipal de Itaúna trabalhou no Cargo de Assessor de Comunicação nas gestões do Ex Presidente e vereador Orlando Rodrigues e Antônio de Miranda. Articulista político, popular e com um jeito novo de conciliar e trabalhar. Mário Debique é considerado polêmico e tem um jeito pessoal de fazer críticas e elogios, por isso, integra a Equipe NOTÍCIAS de Itaúna.