COMPARTILHAR

foto-3O novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), Armando Monteiro, afirmou que anunciará no início de março o aguardado plano nacional de exportações, uma das bandeiras defendidas no início de sua gestão, junto a uma agenda de reformas microeconômicas.

 
Em reunião ministerial na Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), Monteiro reconheceu que o país vive um “desequilíbrio macroeconômico” e mencionou a necessidade de reverter o déficit da balança comercial em 2014, que atingiu 4% do Produto Interno Bruto (PIB).

 

No ano passado, o país exportou US$ 3,930 bilhões a menos do que importou, gerando o primeiro déficit da balança desde 2000. O resultado também foi o pior do comércio exterior brasileiro desde 1998, quando as compras para outros países superaram as vendas em US$ 6,623 bilhões.

 
O ministro disse acreditar que o atual patamar do dólar frente ao real oferece uma perspectiva positiva para o país retomar as exportações neste momento. “Acreditamos que [o plano de exportações] pode ser um vetor para manter o nível de atividade econômica do país”.

 
Monteiro destacou ainda a necessidade de dar maior ênfase a acordos bilaterais e colocar os Estados Unidos no centro da estratégia da política comercial brasileira, junto de países da América Latina como Chile, Peru, Colômbia e México.

 

 

Reformas
Monteiro afirmou ainda que será preciso retomar a agenda de reformas para recuperar os ganhos no comércio exterior, mais voltadas para o ambiente microeconômico, com foco “na melhoria do desempenho e eficiência no setor empresarial”.

 
Um dos pilares citados pelo ministro para promover estas mudanças seria a simplificação do sistema tributário. “Se não for traduzido em redução da carga [de impostos], precisamos focar em reduzir a complexidade [do sistema], melhorando as condições de trabalho das empresas”.

 
Para Monteiro, o Brasil pode ganhar muito com medidas de simplificação e desburocratização. “É uma agenda que não tem custos, só tem ganho, acho que podemos fazer isso om resultados extraordinários a curto prazo”, afirmou, sem detalhar como essas medidas seriam feitas.

 
Ajuste fiscal
Monteiro disse também que as medidas de ajuste fiscal anunciadas pela nova equipe econômica, que reduziram benefícios previdenciários e aumentaram impostos, são fundamentais para o país retomar o ciclo de crescimento. “Todos sabemos que se essas medidas não forem adotadas, estaremos adiando um processo de ajuste e os custos serão muito maiores para a sociedade brasileira”.

COMPARTILHAR
Matéria enviada ao Portal Notícias de Itaúna. As matérias enviadas e publicadas no Portal Notícias de Itaúna não refletem necessariamente a opinião do nosso Portal de Informações e são de inteira responsabilidade das pessoas que as assinam.