COMPARTILHAR

Sem títuloDepois de dois meses de queda, a economia brasileira voltou a crescer em fevereiro, sugerem dados do Banco Central divulgados nesta quarta-feira (15). Criado para tentar antecipar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), o Índice de Atividade Econômica do BC, o IBC-Br teve aumento de 0,36% no mês passado.

 
Foi o primeiro crescimento mensal desde novembro de 2014, quando o índice havia avançado 0,1%. Neste caso, as variações foram feitas após ajuste sazonal.

 

 

Primeiro bimestre
De acordo com o Banco Central, a “prévia” do PIB registrou, porém, uma queda de 2,45% no primeiro bimestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado. Neste caso, a comparação foi feita sem ajuste sazonal – pois considera períodos iguais. E, no acumulado em 12 meses até fevereiro, o indicador registrou contração de 0,6%, segundo números do BC.
Previsões para o PIB de 2015

 
O mercado financeiro acredita que o PIB terá forte retração neste ano. A expectativa dos analistas dos bancos, colhida pelo Banco Central na semana passada em pesquisa com mais de 100 instituições financeiras, é de uma contração de 1,01% em 2015 – o que, se confirmado, será o maior “encolhimento do PIB” em 25 anos.

 
O Fundo Monetário Internacional (FMI) também prevê uma contração de 1% da economia brasileira para 2015. Em relatório, o Fundo defende que a retração será puxada por política fiscal e monetária mais rígida e pelos cortes de investimentos na Petrobras, em um momento de queda na atividade visto desde 2014.

 
Equipe econômica
O próprio governo já admite que o PIB deve ter retração neste ano. Questionado por jornalistas nesta terça-feira (14) se o governo vai adotar a projeção do mercado financeiro para o comportamento do PIB deste ano em seus documentos, que prevê “encolhimento” da economia neste ano, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy respondeu: “Hoje, o mercado tem essa avaliação. Nos nossos documentos, nós usamos as informações do mercado. Tem isso. Essa é a tradição que a gente adotou”, afirmou.

 

 
A nova equipe econômica já havia informado, em outras ocasiões, que deve basear seus documentos nas projeções do mercado financeiro – diferentemente do que acontecia nos últimos anos, quando a economia era comandada por Guido Mantega, que geralmente divulgava previsões melhores do que os analistas dos bancos.

 

 
A última previsão oficial para o PIB de 2015, porém, foi feita no ano passado – quando o governo estimou uma alta de 0,8% para o comportamento da economia neste ano. Naquele momento, o mercado financeiro projetava um crescimento de 0,77% para o PIB de 2015.

 
Resultados do IBC-Br x PIB
O IBC-Br foi criado para tentar ser um “antecedente” do PIB. O índice do BC incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, além dos impostos. Os últimos resultados do IBC-Br, porém, não têm mostrado proximidade com os dados oficiais do PIB, divulgados pelo IBGE.

 

 
Em 2012, por exemplo, o IBC-Br mostrou um crescimento de 1,6%. Posteriormente, o resultado oficial do PIB mostrou uma alta menor, de 1%. O mesmo aconteceu em divulgações trimestrais do PIB, quando o indicador não correspondeu aos resultados oficiais do PIB – divulgados pelo IBGE.

 

 
O Banco Central já avaliou, em 2013, que o IBC-Br não seria uma medida do PIB, mesmo que tenha sido criado para tentar antecipar o resultado, mas apenas “um indicador útil” para o BC e para o setor privado. “Se o IBC-Br acertasse na mosca é que seria surpreendente”, afirmou o então diretor de Política Econômica da entidade, Carlos Hamilton, no fim de 2012.
IBC-Br

 

 
Antes divulgado por estados e por regiões, desde o início do ano passado o indicador passou a ser calculado com abrangência nacional.

 
“A estimativa do IBC-Br incorpora a produção estimada para os três setores da economia acrescida dos impostos sobre produtos, que são estimados a partir da evolução da oferta total (produção mais importações)”, explicou o Banco Central.
Definição dos juros

 
O IBC-Br é uma das ferramentas usadas pelo Banco Central para definir a taxa básica de juros (Selic) do país. Com o menor crescimento da economia, por exemplo, teoricamente haveria menos pressão inflacionária. Atualmente, os juros básicos estão em 12,75% ao ano e a expectativa do mercado é de nova elevação, para 13,25% ao ano, no fim deste mês.

 
Pelo sistema de metas de inflação que vigora no Brasil, o BC precisa calibrar os juros para atingir as metas preestabelecidas. Quanto maiores as taxas, menos pessoas e empresas dispostas a consumir, o que tende a fazer com que os preços baixem ou fiquem estáveis.

 
Para 2015 e 2016, a meta central de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Desse modo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país e medida pelo IBGE, pode ficar entre 2,5% e 6,5%, sem que a meta seja formalmente descumprida.

COMPARTILHAR
Matéria enviada ao Portal Notícias de Itaúna. As matérias enviadas e publicadas no Portal Notícias de Itaúna não refletem necessariamente a opinião do nosso Portal de Informações e são de inteira responsabilidade das pessoas que as assinam.