COMPARTILHAR

Mapa aponta principais áreas de risco para fenômenos naturais em Mateus Leme - FACEBOOKEstudo identifica regiões propensas a crises e se torna novo aliado da Defesa Civil contra desastres

A Prefeitura de Mateus Leme terá, a partir deste ano, mais uma ferramenta para evitar desastres provocados pelas chuvas e pelas atividades extrativistas no município. Um estudo encomendado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e apresentado recentemente para a Defesa Civil identificou as principais áreas de risco e está fornecendo subsídios para que órgãos de fiscalização e controle exerçam um papel ainda mais vigilante sobre as áreas propensas a inundação, alagamento e deslizamento.
O mapa, concluído pela Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte, aponta quatro regiões com alto risco de inundações. A principal e maior área propensa ao acúmulo de água da chuva corta o município ao meio estendendo-se por toda a extensão do ribeirão Mateus Leme, passando pelo centro da cidade e no distrito de Azurita, um dos mais populosos do município. A mesma rede hidrográfica também acende o alerta para bairros como Araçás, Imperatriz e Planalto, do outro lado da rodovia MG-050.

 

No distrito de Serra Azul até o povoado rural de Freitas, na divisa com Itaúna, outra grande área é monitorada. “Apesar de esta área ser menos povoada, ela manifesta-se com grande potencial de armazenamento de água o que favorece a expansão dos canais hídricos e provoca as inundações”, justificou o secretário municipal de Meio Ambiente, Elvis Gaia, um dos defensores do projeto. “É por isso que os estudos são importantes. Eles vão criar mecanismos para que a Defesa Civil monitore os cursos de água de uma maneira mais eficaz e mantenha controle sob a vazão hídrica”, completou.

Os dois outros locais propensos a inundações foram identificados no povoado de Varginha, próximo a divisa com Igarapé e no Distrito de Sítio Novo, no limite com o município de Florestal.

Risco de deslizamentos

O estudo apontou ainda as principais áreas com risco de escorregamento. E grande parte delas está no limite sul do município, entre Mateus Leme e Itatiaiuçu, em área de extração mineral. O local é identificado em roxo e outras áreas ganham destaque no perímetro urbano próximo ao bairro Central e ao Distrito de Sítio Novo.
Em marrom, no centro do mapa, uma grande mancha identifica os pontos críticos de deslizamento associados às atividades de escavação.

“A partir da análise desse mapa o município terá melhores condições de identificar as áreas de risco e monitorá-las, trabalhando no intuito de evitar enchentes nas áreas populosas e acidentes nos locais propensos a deslizamentos e escorregamentos”, completou o secretário de Meio Ambiente.

Vigilância para todo o estado

Instalado em 2011 em Mateus Leme o radar meteorológico é mais uma ferramenta que está a disposição de vários municípios para identificar a formação de chuvas, tempestades e granizo. O equipamento monitora, com qualidade, um raio de 250 km, mas tem alcance de até 350 km para avaliações qualitativas de entradas de tempestades no Estado de Minas Gerais.

 

Com a utilização do radar é possível prever com maior precisão a ocorrência e intensidade de uma chuva e assim alertar a Defesa Civil sobre tempestades que poderão trazer consequências sérias para a população, permitindo uma atuação de forma preventiva.

COMPARTILHAR
Matéria enviada ao Portal Notícias de Itaúna. As matérias enviadas e publicadas no Portal Notícias de Itaúna não refletem necessariamente a opinião do nosso Portal de Informações e são de inteira responsabilidade das pessoas que as assinam.