COMPARTILHAR

ALMGAudiência pública vai debater atraso no cronograma de construção e entrega de Estação de Tratamento de Esgoto na cidade.

 

 

Debater a atuação da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) em Divinópolis (Centro-Oeste de Minas), tendo em vista o possível descumprimento do Contrato de Prestação de Serviço de Esgotamento Sanitário por parte da empresa e o atraso no cronograma de obras da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) local. Esse é o objetivo de uma audiência pública na segunda-feira (4/4/16), às 14 horas, na Rua São Paulo, 277, no Centro de Divinópolis.

 

 

 

A reunião será promovida pela Comissão de Assuntos Municipais e Regionalização da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). O autor do requerimento é o deputado Fabiano Tolentino (PPS). Segundo o parlamentar, o cronograma de construção da ETE em Divinópolis aponta que a estação deveria estar pronta em 2016. “Mas a Copasa ainda nem iniciou suas obras”, afirmou.

 

 

De acordo com o deputado, apesar de a construção da estação não ter começado, a população da cidade vem pagando taxa de esgoto há quatro anos. “Na audiência, vamos querer saber o motivo desse pagamento e o porquê do atraso dessas obras”, destacou.

 

 

 

Convidados – De Divinópolis, foram convidados para a reunião o prefeito, Vladimir de Faria; o vice-presidente da Câmara Municipal, vereador Careca da Água Mineral; o promotor de Justiça de Defesa do Meio Ambiente, Alessandro Garcia Silva; e o presidente da Equipe Permanente da Campanha da Fraternidade da Diocese de Divinópolis, José Eustáquio Cruz.

 

 

Também receberam convite para participar da audiência o superintendente de Operação Centro-Oeste da Copasa, Mauricio Paulo Pereira, e o prefeito de Pará de Minas (Região Central) e presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), Antônio Júlio de Faria.

COMPARTILHAR

Matéria enviada ao Portal Notícias de Itaúna. As matérias enviadas e publicadas no Portal Notícias de Itaúna não refletem necessariamente a opinião do nosso Portal de Informações e são de inteira responsabilidade das pessoas que as assinam.