COMPARTILHAR

Foto de Gilclér ReginaHoje vou repassar alguns trechos atribuídos a grande autora brasileira Marina Colassanti, com algumas modificações que fiz. Ela diz: Eu sei que a gente se acostuma, mas não devia.

 
A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.

 
A gente se acostuma a acordar de manhã, sobressaltado, porque está na hora. A tomar café correndo porque está atrasado. A ler as notícias no jornal ou no Iphone enquanto estamos no carro ou no ônibus porque não podemos perder tempo. A comer sanduíches porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.

 
A gente se acostuma a abrir o jornal e ler sobre a guerra. E aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja número para os mortos. E aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz.

 
A gente se acostuma a coisas demais para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente só molha os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito que fazer, a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sono atrasado.

 
A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se da faca e da baioneta, para poupar o peito. A gente se acostuma com o governo gastando tudo o que não tem e depois pagamos a conta contribuindo. A gente se acostuma para poupar a vida que aos poucos se gasta, e que, de tanto acostumar, se perde de si mesma.

 
Pense nisso, um forte abraço e esteja com Deus!

 

 

Gilclér Regina, palestrante, escritor. www.gilclerregina.com.br

* Gilclér Regina – Palestrante com experiência em vendas, varejo, atacado, liderança e motivação. Escritor com 10 livros editados. Muitos eventos de CDLs e ACEs em todo país. Mais de três milhões de livros vendidos. Sua palestra mostra que pessoas estão vencendo nas piores cidades e fracassando nas melhores cidades.

COMPARTILHAR
Matéria enviada ao Portal Notícias de Itaúna. As matérias enviadas e publicadas no Portal Notícias de Itaúna não refletem necessariamente a opinião do nosso Portal de Informações e são de inteira responsabilidade das pessoas que as assinam.