COMPARTILHAR

Stefan Salej

 

A feira de automóveis de Frankfurt, realizada a cada dois anos, teve neste ano, além da Chanceler alemã Angela Merkel, também a presença da principal executiva da Facebook, Sheryl Sandberg. Bem, que a líder alemã estivesse presente alguns dias antes de eleições parlamentares, está claro. Mas, porque dar tanta importância à Senhora Sanberg? Os prepotentes alemães, que vendem na China um em cada dois automóveis, deram à empresa de Palo Alto, Califórnia, uma importância que coloca bem no nosso nariz a pergunta: o que está acontecendo com “Das Auto”, como os alemães chamam o automóvel.

 

O fato é que na feira não se falava de potentes máquinas, aquelas que a Lava Jato apreendeu dos nossos malfeitores, mas de carros híbridos, elétricos, de mobilidade urbana e carros autodirigíveis. Automóveis que usam mais e mais eletrônica, inteligência artificial, e integração de várias tecnologias inteligentes. Os produzidos hoje, estão virando carroças com muita rapidez. E neste capítulo inclui-se o uso de automóveis como pelo Uber e todo o sistema de logística, como fazendo entregas que hoje são feitas por motoqueiros.

 

Além de toda a inovação tecnológica a que estamos assistindo, ainda há a questão do meio ambiente. A indústria alemã fez feio com a falsificação de dados sobre emissões dos seus motores a diesel nos Estados Unidos ( no Brasil ninguém se incomodou com isso) e precisa recuperar a credibilidade.Por isso, usaram a feira de Frankfurt para anunciar que em menos de dez anos vão fabricar mais carros elétricos do que a gasolina e diesel. Analistas apontam que a Alemanha, que fez da indústria automobilística sua força motriz de desenvolvimento ( 13 % do PIB e 18 % das exportações) está em uma encruzilhada tal que se não houver uma mudança de modelo econômico pode chegar a uma crise sem precedentes, inclusive de efeito devastador para a Europa. E tem outros movimentos: a Renault fez da aliança com a Nissan e a Mitsubishi um gigante que deve produzir nos próximos cinco anos mais de 10 milhões de veículos por ano. Em resumo, o setor todo está no meio de mudanças significativas.

 

No Brasil, decidimos há sessenta anos, na época de JK, fazer da indústria automobilística também o motor do nosso desenvolvimento. E ela continua forte, poderosa e com tantas fábricas com incentivos que já perdemos a conta de sua competitividade a não ser para exportar para a Argentina. Fala-se timidamente de automóveis elétricos, de consolidação e de avanços tecnológicos em nível mundial. E esse debate, que pode estar fervendo no próprio setor, deve ser um debate sobre avanços tecnológicos, meio ambiente, combustíveis, e mobilidade, ente outros, que interessam à sociedade brasileira como um todo. A não ser que desejemos esperar que a crise nos derrube mais uma vez.

 

STEFAN SALEJ, consultor empresarial, foi presidente do Sistema Fiemg e do Sebrae MG.

 

EM DEZ ANOS OS ALEMÃES VÃO FABRICAR MAIS CARROS ELÉTRICOS DO QUE A GASOLINA E DIESEL

COMPARTILHAR
Matéria enviada ao Portal Notícias de Itaúna. As matérias enviadas e publicadas no Portal Notícias de Itaúna não refletem necessariamente a opinião do nosso Portal de Informações e são de inteira responsabilidade das pessoas que as assinam.