COMPARTILHAR

Stefan Salej

 

A paulada da retirada das concessões das usinas hidrelétricas da Cemig e sua passagem para estatais estrangeiras é mais um golpe, desta vez direto no coração de Minas. Minas se desenvolveu após o governo de JK justamente porque então a Companhia Energética de Minas Gerais permitiu, com fornecimento de energia, inicialmente com a Usina de Três Marias, o desenvolvimento da sua indústria e agricultura e o da sua sociedade como um todo. A empresa pública criou uma cultura de gestão impecável e eficaz, tendo como símbolo, entre outros, o engenheiro Joao Camilo Penna, copiada pelo Brasil inteiro e modelo de desenvolvimento do setor energético brasileiro. Até que em um determinado momento os políticos tomaram conta dos técnicos, o auge ocorreu com a ilusão da venda de um terço para um sócio depredador estrangeiro, que foi substituído pelo campeão local da Lava Jato. A empresa se tornou presa de interesses escusos, a compra da Light se enquadra nisso, além de investimentos em Monte Belo, expansão desenfreada de negócios (totalizando mais de 100 empresas espalhadas pelo Brasil e um mundo propositadamente de complexo controle financeiro). Distribuição de dividendos sem que os houvesse, empréstimos para pagar dividendos e satisfazer sócios privados, além de milhares de alianças de negócios que prejudicaram a empresa e geraram dinheiro para poucos. Só para ilustrar como isso terminou: dois dos ex-presidentes recentes trabalham hoje ou são sócios para um grupo empresarial mineiro com fortes ligações na área de liderança empresarial.

 

Ou seja, o modelo pelo que se enveredou, a aliança de políticos e empresários para benefícios próprios, levou a nossa Cemig, apesar de ser cotada na Bolsa de Nova Iorque e ter acionistas em 45 países, a uma fragilidade que produziu, junto com a queda da força política de Minas no cenário nacional, a perda de usinas. Há elementos externos que ajudaram nisso sim, mas há também descaminhos da empresa, levados adiante por vários governos que ajudaram a enfraquecer a empresa com enorme endividamento, entre outros.

 

Então, a hora é de rever o modelo da Cemig para que volte a ser um eficaz instrumento de desenvolvimento de Minas. Alguns defendem total privatização. Não vão faltar compradores, aliás começando pela famigerada Light do Rio. Mas, o que aconteceu não foi com um sócio estratégico mineiro? Tem que repensar com calma, porque a solução a ser dada à Cemig será dada ao próprio desenvolvimento do estado.

 

E a Cemig não é nosso único problema. Como vai se posicionar a Fiat, antiga líder brasileira em produção de automóveis, com os novos desafios de carros elétricos, concorrência feroz e indústria 4.0? Em Itajubá, terra de engenheiros que construíram a Cemig, está definhando a indústria eficiente de helicópteros, Helibras, porque o Ministério da Defesa não cumpre contrato. E políticos de Minas não têm nenhuma força para pressionar o Ministério da defesa para que isso não aconteça. A pressão vem da Fiesp, porque a entidade mineira de indústria está preocupada em construir na mesma Itajubá um laboratório que tira recursos de educação de mão de obra para satisfazer poucas empresas.
Tempos difíceis, que requerem coragem e conhecimento para resolver os problemas. Que esses episódios nos levem a soluções melhores para um futuro mais sustentável do ponto de vista social e econômico.

 

<a>
STEFAN SALEJ, consultor empresarial, foi presidente do Sistema Fiemg e do Sebrae MG

ATÉ QUE EM UM DETERMINADO MOMENTO OS POLÍTICOS TOMARAM CONTA DOS TÉCNICOS…

COMPARTILHAR

Matéria enviada ao Portal Notícias de Itaúna. As matérias enviadas e publicadas no Portal Notícias de Itaúna não refletem necessariamente a opinião do nosso Portal de Informações e são de inteira responsabilidade das pessoas que as assinam.