COMPARTILHAR

Saúde Mental amplia divulgação da linha 188, que garante apoio emocional aos portadores de sofrimento, e inicia estudos para criação de um núcleo na cidade

 

Voluntários do Centro de Valorização da Vida – CVV – estiveram em Itaúna na segunda-feira, 07 de maio. A visita teve como principal objetivo esclarecer dúvidas a respeito da entidade, que é uma associação civil sem fins lucrativos, reconhecida como instituição de utilidade pública federal desde 1973. Integrantes da equipe, Norma Moreira e Luiz Augusto Sousa, receberam representantes de veículos de comunicação e profissionais da área de Psicologia, ao lado do secretário municipal de Saúde, Fernando Meira de Faria, e da diretora da Saúde Mental, Cristiane Santos Souza Nogueira. Na pauta do encontro, a importância de reforçar a divulgação do serviço, para ampliação do acesso da população ao apoio emocional prestado gratuitamente, por meio do telefone 188.

 

 

Um dos focos do CVV é a prevenção ao suicídio, tema de estudos do Grupo de Trabalho criado pela Prefeitura de Itaúna, em 2017, para estudo dos índices registrados na cidade e, a partir do diagnóstico, elaboração das estratégias de abordagem e tratamento em rede. Durante o encontro, nesta semana, Luiz Augusto abordou as estatísticas estaduais, nacionais e mundiais referentes ao autoextermínio e explicou a atuação do grupo.

 

 

São mais de 2.400 voluntários no Brasil, que, após treinamento intensivo, passam a prestar assistência e acolhimento por meio da rede unificada, que tem 84 bases em todo o país e seis em Minas Gerais, em municípios com mais de 100 mil habitantes, conforme protocolo que estava em vigor. O atendimento é totalmente sigiloso. Norma salientou a importância da compreensão dos problemas apresentados por quem busca ajuda e do respeito com que essas pessoas são recebidas no CVV.

 

 

“É muito importante para o Município receber a equipe, que tem um trabalho de valorização da vida reconhecido em todo o país. Existem princípios que a gente pode adotar, no manejo e no relacionamento com os que estão em sofrimento. É essencial absorver e disseminar essa ideia de que falar é a melhor solução. Esse é o maior ganho”, frisou a diretora da Saúde Mental, Cristiane Santos Souza Nogueira.

 

 

Antes da reunião, a gestora foi informada de que não existe mais o critério populacional para instalação de unidades. “Então, como Itaúna já havia manifestado interesse, podemos caminhar no sentido da criação de um núcleo de apoio do CVV. Essa iniciativa dependerá do envolvimento da comunidade, já que é uma organização não-governamental, embasada no voluntariado”, adiantou.

 

 

“O grande número de casos de autoextermínio no município não é um fenômeno recente, mas, obviamente, essa situação requer atenção especial. E, nesse sentido, é preciso ter cuidado e avaliar a abordagem mais adequada. A administração trabalha nesse sentido e conta com a sociedade, pois, há necessidade de uma união de esforços para garantia dos melhores resultados”, disse o secretário de Saúde, Fernando Meira de Faria.

 

 

Mais ação

Ao longo de 2017, a administração municipal reforçou o planejamento para acolhimento aos usuários dos Centros de Atenção Psicossocial – CAPS II, CAPS AD e do Centro de Convivência, com novas sedes e aperfeiçoamento da assistência. O trabalho, iniciado há pouco mais de um ano segue as especificações técnicas da Organização Mundial da Saúde – OMS, em consonância com os protocolos do Ministério da Saúde, e está recebendo apoio de professores e doutores, além de lideranças sociais. O resultado desse entrosamento em prol de uma política pública abrangente para o setor é a criação do Grupo de Trabalho Intersetorial de Valorização da Vida e Prevenção ao Suicídio.

 

 

O projeto foi lançado em fevereiro, pela Secretaria Municipal de Saúde. No primeiro mês, o encontro reuniu profissionais da rede de Saúde Mental para levantar dados e agora estruturam as estratégias de abordagem e tratamento em rede. “Esses indicadores são essenciais para a continuidade do trabalho que, já na segunda fase, envolve a participação de mais segmentos da sociedade”, explicou Cristiane Santos Nogueira, diretora da Saúde Mental de Itaúna. O plano de ações contém o norte das abordagens e as principais metas que já estão elencadas para serem desenvolvidas em 2018.

 

Unidades disponíveis

A Prefeitura de Itaúna reestruturou os equipamentos da Saúde Mental e, nos primeiros meses de 2017, entregou a nova unidade do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas – CAPS AD e o Centro de Convivência Dr. Peri Tupinambás, na avenida Jove Soares, em um espaço mais amplo e de fácil acesso aos usuários, com atendimento às principais linhas do transporte coletivo e em região central.

 

 

As pessoas com sofrimento mental podem buscar ajuda em qualquer unidade de saúde, no Pronto Atendimento do Hospital Manoel Gonçalves e nos dois CAPS, tanto no Centro quanto no bairro Chácara do Quitão.

 

 

Centro de Atenção Psicossocial II – CAPS II – Rua Margarida, nº 369, Bairro São Geraldo. Telefone para contato: (37) 3243-6328.

 

 

Centro de Convivência Peri Tupinambás – Av. Jove Soares, nº 1056, Centro. Telefone para contato: (37) 3243-7967.

 

 

Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas – CAPS AD – Av. Jove Soares, nº 213. Bairro Graças. Telefone para contato: (37) 3242-4342.

 

 

Assessoria de Comunicação

COMPARTILHAR
Matéria enviada ao Portal Notícias de Itaúna. As matérias enviadas e publicadas no Portal Notícias de Itaúna não refletem necessariamente a opinião do nosso Portal de Informações e são de inteira responsabilidade das pessoas que as assinam.