COMPARTILHAR

feTem dia que, sem mais nem menos, fico introspectivo, sorumbático, caladão. Ainda bem que tem sido muito raro nos últimos anos. Uma luzinha vermelha, como sinal de alerta, começa a piscar na tela do meu computador mental: “vírus, vírus, vírus”. E lembranças desagradáveis, de fatos do passado que me incomodaram, voltam numa virulência como se estivessem acontecendo de novo. Interessante que muitas vezes provocado por um fato atual. Ou proveniente de um sonho reincidente sem sentido, daquela dormida de “só mais um pouquinho”, depois que acordei e dormi de novo. Putz! Trem ruim, sô. Que “coisa pau”, como dizia o Jobitão. Não deveria ser assim. Não consegui vacina contra isso até hoje. Eu, que vivo dizendo que o passado não existe – e é pura verdade – de vez em quando tenho ressuscitado em mim alguma maluquice atormentadora. Talvez seja da ciclotimia. Sei lá. Procuro aquela tecla DEL para excluir de vez aquele vírus… E como tenho buscado atualizar o meu antivírus… O negócio é mudar o pensamento, é a única maneira. Formatar o disco rígido. E Jesus já sabia disso… “Nascer de novo”… E se for preciso, um meio Rivotril de 2 mg também serve para acalmar os ânimos. Não faz mal nenhum e ajuda a mexer na química do organismo. É uma boa muleta… Trem danado viu? O que não pode é acontecer com frequência esta coisa sorumbática, senão acaba afetando, além da nossa alma, o nosso corpo e o nosso espírito. Ficamos doentes. Por isso gosto de dizer que ‘somos o que pensamos’. E como isso é verdadeiro. Um pensamento mal direcionado e insistente derruba qualquer pessoa. Nossa mente nos dá cada tombo… Vejamos as paranoias. A pessoa cisma que está sendo perseguida ou ridicularizada por alguém, vira vítima e aquilo se transforma em pura verdade na cabeça dela. Fica antissocial, entra em depressão. E como sofre em cima de pensamentos, coisas tão subjetivas e não palpáveis. Para quem está de fora é até um absurdo, é tão abstrato… Mas, para quem está de dentro e ruminando a encrenca, o trem é terrível… Entendo que o ‘comer da árvore do conhecimento do bem e do mal’ é isso aí. Não é uma frutinha que vai gerar a ira de Deus. Nós somos vítimas de nós mesmos. É a escolha inadequada que nos leva ao sofrimento. Nossa vida é questão de escolha. E Jesus nos mostra claramente que quando escolhemos comer da ‘Árvore da Vida’, somos nutridos pela Água Viva, pelo Espírito, pelo “Cristo em nós, a esperança da glória” (Cl 1:27).

COMPARTILHAR