COMPARTILHAR

feDiante de tanta maluquice que tem acontecido ultimamente: a cara de pau dos políticos, tanta mentirada, os assassinatos numa frieza danada, os menores matando e estuprando sem nenhum escrúpulo, corrupção e ladroeira pra todo lado, crimes hediondos – conversava eu e uns amigos num barzinho em torno de uma ‘ceva’ geladinha sobre a diversidade enorme que existe entre os tipos de pessoas. Comentei que há anos, na década de 80, havia participado de um curso sobre ENEAGRAMA. Ninguém ali nunca ouviu falar neste nome, incrível. Houve um tempo em que eu frequentava a Escola de Gurdjieff em Belo Horizonte, comandada pelo professor Arthur Andrés, músico e flautista famoso da UFMG e do grupo Uakti. Foi logo após ter participado do Processo Fischer/Hoffman. Fazíamos danças sacerdotais sagradas trazidas dos ‘dervixes’ por Gurdjieff. Estudávamos movimento, meditação e tudo focado no “conhece-te a ti mesmo” por meio da observação de si. Cada um buscava conhecer a totalidade dos seus centros – o motor, o instintivo, o emocional e o intelectual – com o objetivo de harmonizar os diversos aspectos do ser. “O sistema de Gurdjieff parte do pressuposto de que os homens estão dormindo, são máquinas ambulantes que não sabem o que fazem (lembrei-me do filme Matrix). Isto porque o que geralmente achamos que é o “eu” e, na realidade, um conjunto de “eus” que povoam nossa mente, por isso temos que controlá-los através dos “eus-de-trabalho” e assim evitar cair na imaginação que, segundo ele, nos afasta da presença”. Gurdjieff era um místico e mestre espiritual armênio. Figura enigmática. Era filósofo e ensinava as pessoas a buscar um autoconhecimento profundo. Alguns autores dizem que era um místico cristão (??). Ele descobriu a existência do Eneagrama nas suas viagens pela Rússia e Afeganistão. Segundo ele o Eneagrama existia há mais de 3.500 anos. Quem introduziu este estudo no Brasil na década de 70 foi o Psiquiatra chileno Dr. Cláudio Naranjo, que conheci pessoalmente na década de 80. O Eneagrama descreve a queda e a ascensão possível da consciência humana, segundo nove padrões ou tipos. O símbolo, dito pelo próprio nome é uma figura de nove lados e com linhas que se entrelaçam. Ali são marcados 9 tipos de personalidades básicas. Os tipos são na realidade os traços da personalidade de cada um. “Há vantagens e potenciais que podem ser desenvolvidos e há também desvantagens que, uma vez conhecidas pelo indivíduo permitem o seu aprimoramento psicológico e profissional”. Principalmente relacional. Os críticos dizem que os ‘pecados capitais’ católicos vieram do Eneagrama e que a religião da época omitiu 2 deles, porque eram características dela mesma. Não sei se isso tem fundamento. Os nove tipos de personalidade são: 1. Ira; 2. Orgulho; 3.Vaidade; 4.Inveja; 5.Avareza; 6.Medo; 7.Gula; 8.Luxúria; 9.Preguiça. Soube recentemente que há em Itaúna uma Psicóloga muito conceituada: Drª Marlene Dornas, que ministra um curso de Eneagrama esporadicamente. Penso que é interessante cada pessoa poder conhecer mais a respeito de si mesmo. Procurem saber a respeito dos cursos que são ministrados. “Conhece-te a ti mesmo” é atribuído a Sócrates; e “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mt 22:39) é atribuído a Jesus. Como alguém pode amar ao próximo se não conhece a si mesmo para se amar?

 

fds

COMPARTILHAR