COMPARTILHAR

feSou um cara impressionado com o avanço tecnológico que acompanho no momento. Instalei Waze no meu celular e fui levar minha cunhada a um Apart Hotel em BH, cliquei o endereço e a moça danadinha falou comigo direitinho, cada rua que eu teria que virar e não errou nadica de nada… Meu pai ia cair duro se visse um troço desse… E meu sogro também… Há pouco tempo, ouvi pregadores cristãos alarmando a clientela com a notícia do lançamento do primeiro Biochip Mondex. Diziam que era a marca da Besta de Apocalipse, que era o fim dos tempos, que Jesus estava voltando… Da mesma forma que no domingo passado alardearam com a “Lua de fogo”… Soube de círculos de cristãos orando de mãos dadas, nas praças, nos montes, porque chegara o ‘final dos tempos’. Hilariante… Agora, vejo uma reportagem numa revista cristã, de expressão, sobre o implante do Biochip. E que ainda nem está na sua capacidade máxima esperada. Há mais de 300 mil pessoas implantadas com Biochips. A área de eleição é na mão, entre o polegar e o indicador, numa região de tecido mole próxima ao osso sesamoide (que já tem o significado de semente). Ou no centro da mão entre os dedos. Ou na testa, que poucos gostam devido à estética. Geralmente na região do “terceiro olho”. É um aparelho do tamanho de um grão de arroz. A princípio falava-se que era um aparelho para controlar as pessoas, que seriam monitoradas pelo sistema, tipo Matrix, e que o Anticristo dominaria o mundo e quem não tivesse o chip (a marca da besta) não teria como comprar: “Também obrigou todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, a receberem certa marca NA MÃO direita ou na TESTA, para que ninguém pudesse comprar nem vender, a não ser quem tivesse a MARCA que é o nome DA BESTA ou o número do seu nome” (Apo 13:16-17). Hoje, a especifidade maior do Biochip é para usos medicinais. Também para segurança, é claro. O Biochip pode controlar diabetes, ser usado como método contraceptivo e promover exames de análises clínicas rápidos, baratos e seguros; exames de sangue com diagnóstico preciso de qualquer natureza, inclusive para casos de câncer. No caso de diabetes, pode controlar a liberação de insulina necessária. Os fabricantes de hoje são a LG, Motorola e Samsung. Ele é ultrassensível. É uma cápsula de vidro. É um revolucionador da medicina, sem dúvida. Quebrará muitos paradigmas, com certeza… Já existe teste em São Paulo, na área de Otorrinolaringologia para resolver problemas de surdez. Outra coisa que já é usada pelo Biochip, e em Belo Horizonte tem o Raphael, de 28 anos que o faz e pode comprovar, ele é programado para abrir carros, destravar computadores, passar por catracas, destrancar portas e ligar o carro apenas encostando a mão esquerda em um leitor. Raphael conseguiu adquirir um Biochip através da loja Dangerous Things, um site especializado em comercializar esses dispositivos. Com 99 dólares é possível comprar o aparelho e ainda seringas especiais e bisturis que devem ser usados para a implantação do produto. Tudo isso me parece ‘bom demais da conta’… Será que poderia ser arrumação da Besta? Fui…

COMPARTILHAR