COMPARTILHAR

A Polícia Civil em Itaúna anunciou nesta terça-feira (31) que concluiu as investigações sobre a morte de Dênia Alves Silva Rodrigues, de 48 anos. O corpo dela foi encontrado dentro de um carro no dia 29 de novembro de 2016. O marido dela, de 51, é o principal suspeito. Ele está detido no presídio da cidade, onde deverá ficar até que a Justiça marque o julgamento.

 
De acordo com o delegado Diego Lopes, os investigadores reuniram elementos que comprovam o envolvimento do marido da vítima no crime. “Ele não confessou essa participação, mas nós analisamos imagens das câmeras dos prédios vizinhos e comprovamos que ninguém entrou na casa deles nas horas que antecederam o crime”, explicou.
Ao ser perguntado sobre o sumiço da mulher, o suspeito teria omitido informações importantes. Um cordão de ouro que teria sido usado por Dênia foi encontrado atrás da cama do casal. A peça continha fios de cabelos da vítima. Para os investigadores, é um indício de que ela foi asfixiada no local.

 
“Além disso, contamos com o apoio do Laboratório de Ensaios de Combustíveis da Universidade Federal de Minas Gerais, que analisou a substância usada na tentativa de queimar o corpo da vítima. Ficou comprovado que se trata de uma mistura de gasolina e diesel, exatamente a combinação que encontramos em um recipiente na casa”, detalhou.

 

Nos cerca de oito depoimentos que prestou à Polícia Civil, o suspeito afirmou que tinha uma ótima relação com a esposa. “A relação dele com a mulher era péssima. Todas as pessoas que conheciam o casal e que foram procuradas pelos investigadores afirmaram isso. Além disso, análises psicológicas mostram que ele demostrou frieza em relação à morte da mulher”, acrescentou o delegado.

 
A Justiça foi informada da conclusão do inquérito e converteu a prisão temporária do suspeito em prisão preventiva. “Nossas investigações também apontam o envolvimento de outras pessoas no crime. Sobre isso eu não posso comentar mais nada para não comprometer o andamento das investigações sobre esses suspeitos”, acrescentou o delegado.

 
O homem poderá ser indiciado por homicídio qualificado com motivo torpe, feminicídio e por dificultar o trabalho da polícia ocultando o cadáver da vítima.

 
Mulher morta em Itaúna

 
Quando o corpo da mulher foi encontrado, o marido disse em depoimento que ao chegar em casa sentiu falta do carro e de um cofre. Ele percebeu também que a esposa estava desaparecida desde as 20h. Chamou a Polícia Militar (PM) e a mulher passou a ser procurada como um possível sequestro.

 
A polícia fez buscas e o corpo foi encontrado no carro após uma pessoa que passava pelo local ligar para a Polícia Civil. A perícia foi até o local para analisar a cena do crime. Foi constatado um disparo na cabeça da vítima.
Uma denúncia anônima informou que o suspeito possuía uma arma de fogo. Durante buscas em uma empresa que pertence a ele, um revólver sem documentação foi apreendido. “Ele não tinha nos contato dessa arma, mas mesmo assim ainda não dá pra afirmar se foi ou não a arma usada no crime. Isso só o laudo pericial é que poderá apontar”, acrescentou o delegado à época.

COMPARTILHAR
Matéria enviada ao Portal Notícias de Itaúna. As matérias enviadas e publicadas no Portal Notícias de Itaúna não refletem necessariamente a opinião do nosso Portal de Informações e são de inteira responsabilidade das pessoas que as assinam.