COMPARTILHAR

feEstive pensando: toda vez que falo com alguém, ao vivo e a cores, ou por telefone, ou pelo WhatsApp ou qualquer outra maneira, sempre pergunto se está tudo bem. E observo que todas as pessoas fazem isso. Será que estamos interessados na resposta? Será que o outro responde por responder, dizendo muitas vezes, que está tudo ótimo e está sendo corroído por dentro? O mesmo acontece: ‘Fulano de tal melhorou? Está reagindo bem ao tratamento?” Será que estamos interessados em saber mesmo? E pior: ‘vou orar por ele, viu?’ E que orar que nada, isso é jogo de palavras. Ninguém deve esperar nada de ninguém. Em todo sentido. A espera pode ser muito dolorida e causar sofrimento. E depois decepção. “Maldito o homem que confia no homem”, diz a Bíblia (Jeremias 17:5). As pessoas que não dependem dos outros são as mais felizes. Sofrem os que estão amarrados em outras pessoas, principalmente quando ficam paranoicamente pensando: “o que será que estão pensando de mim?” E vivem em função do pensamento dos outros… Eu sempre escrevo por aqui sobre a minha placa lá do sítio: “O que você pensa de mim não é da minha conta”. Há pessoas que ao invés de cuidarem da sua vida, do seu crescimento, do seu amadurecimento querem viver a vida do outro, quer ser o outro e ao invés de imitá-lo, têm o prazer de tentar destruir aquela vida. Talvez por inveja, queria ser a outra pessoa e não consegue. Ou talvez para se realizar através da mídia quando enfrenta alguém que ‘pensa ser superior a ela’. Tenho preferências para o meu convívio de pessoas que se aproximam de mim e deixam que eu seja eu mesmo, com as minhas maluquices, meus defeitos e também com minha essência. E que não ficam querendo que eu seja igual ao jeito que elas pensam. Que querem o meu bem, e que eu não me preocupe nunca com o que ela está pensando de mim. Enfim, permitem que eu viva a minha liberdade para que Cristo me libertou (Gl 5:1). Deixar que eu seja eu mesmo. O perigo de viver sempre dependendo dos outros é que podemos chegar ao final da vida, decadente, ou até doente, provavelmente cercado por pessoas ‘amigas’, mas que nos fazem sentir sozinhos, em plena solidão. A vida é curta. Não temos certeza de nada. A única coisa que não tem solução é a morte. O importante é fazer o que alegra o coração naquele momento. Viver de instantes…

COMPARTILHAR