COMPARTILHAR

fe“O nascimento é um mistério – um novo ser, uma nova vida”… Nasceu a minha sobrinha/neta LAÍS. Filha da Fafá com o Breno Magal. Neta do Ilson Bozan e da Marta da D.Adelia. Estou acostumado a ver todo recém-nascido com cara de joelho. A Laís não, nasceu linda, ainda suja de sangue e já tinha aquela carinha lisinha. E poucas horas depois, já de olhinhos abertos e soltando sons (pela boca, viu?), como se já quisesse bater um papo. Eita trem danado de bão… Tenho dois netos e fico doidinho para ter uma neta. Acho que vou ficar babando… Mas, se vier mais neto, fico super satisfeito do mesmo jeito, já tenho dois que adoro… E fiquei pensando sobre a origem da vida… Não sabemos nada a respeito disso. No máximo, que duas células reprodutivas, de simples constituição, dão uma namoradinha, entra uma dentro da outra e acontece o milagre da vida. Hoje a tecnologia está avançadíssima, de maneira impressionante. Mas, nada se sabe a respeito daquela pessoinha que está lá dentro se desenvolvendo lentamente na barriga da mamãe. Qual será o dom da Laís? Seu talento, sua vocação? E seus sonhos? Seus ideais? Tudo é mistério!… O mistério da vida. Nossos aniversários já nos mostraram tantas desilusões, tristezas, alegrias, esperanças… Torço para que ela seja imune a estas coisas que são ruins. Fique só com as boas. Os pais, o avós e a titia sonharam tanto com este sonho… Shakespeare já dizia: “Nós somos feitos de sonhos”. E neste caso tenho coragem até falar da fé, na minha concepção de sintonia ‘on line’ 24 horas com o Chefe, e como alguém escreveu: “Fé não é acreditar em seres do outro mundo, anjos, céu, inferno e nem mesmo Deus. Fé é uma atitude perante a vida, intraduzível em palavras”. Tudo começa com o mistério do nascimento, sem dúvida. Mas, desde o dia em que nascemos já começamos a morrer. Ai virá outro mistério, o da morte. Shakespeare também disse: “Quem vive deve morrer, passando da natureza para a eternidade”. Não é novidade para ninguém. E a nossa vida toda é feita de mistérios… Outra vez cito um autor desconhecido: “Numerosos são os mistérios que nos rodeiam durante a nossa breve passagem por esta existência terrena. A vida se reveste de um significado mais pleno à medida que ousamos mergulhar no mais profundo de nós mesmos, em busca daquilo que não se vê, daquilo que nos transporta do estado de sono para o nosso despertar”. Mas, nós vivemos PRÉ ocupados com a Eternidade. Vivemos mais ocupados de futuro do que do aqui e agora. É ou não é? E nada sabemos sobre a Eternidade, tudo é especulativo… Disse o próprio São Gregório: “Quando o homem fala da eternidade, é como o cego que fala da luz”. Fui.

COMPARTILHAR